Inicial
_____________________  
Proposta
_____________________  
Rápidas
_____________________  
Artigos
_____________________

Tribuna de Honra
   _____________________

Processo disciplinar & Sindicância
   _____________________

Tribuna Livre

Referências
_____________________

Bibliográficas
   _____________________

Sítios

Contato

Processo Administrativo
Disciplinar & Comissões
sob Encomenda

 

 

Matéria
A Chave do Sucesso
Revista Prática Jurídica

Ajustamento de conduta e suspensão de processo disciplinar

O ajustamento de conduta, com aplicação principalmente no âmbito de ações que visam à proteção de direitos coletivos e difusos, irradia-se também para outras áreas, como alternativa de solução de litígios.

A previsão do instituto está presente na regulamentação da Ação Civil Pública, Lei 7.347/85, artigo 5º, parágrafo 6º, e no Código de Defesa do Consumidor, Lei 8.078/90, art. 113, 6º:

Os órgãos públicos legitimados poderão tomar dos interessados compromisso de ajustamento de sua conduta às exigências legais mediante cominações, que terá eficácia de título executivo extrajudicial.

Previsto na CLT (Decreto-lei 5.452, de 1º de maio de 1943), artigo 876: As decisões passadas em julgado ou das quais não tenha havido recurso com efeito suspensivo; os acordos, quando não cumpridos; os termos de ajuste de conduta firmados perante o Ministério Público e os termos de conciliação firmados perante as Comissões de Conciliação Prévia serão executados pela forma estabelecida neste capítulo.

Nos juizados especiais, civis e criminais, o processo orientar-se-á pelos critérios da oralidade, simplicidade, informalidade, economia, processualidade e celeridade, buscando, sempre que possível, a conciliação ou a transação (Lei 9.099/90, art. 2º).

A suspensão condicional do processo está estabelecida no artigo 89 da Lei dos Juizados Especiais:

Nos crimes em que a pena mínima cominada for igual ou inferior a um ano, abrangidos ou não por esta Lei, o Ministério Público, ao oferecer a denúncia, poderá propor a suspensão do processo, por dois a quatro anos,desde que o acusado não esteja sendo processado ou não tenha sido condenado por outro crime, presentes os demais requisitos que autorizariam a suspensão condicional da pena (art. 77 do Código Penal).

No parágrafo 1º do mesmo artigo, explicitam-se as condições sob as quais o juiz poderá suspender o processo, submetendo o acusado a período de prova.

 

Léo da Silva Alves atesta que tanto a sociedade como o direito devem evoluir e preconiza que há condições de utilização do instituto do ajustamento de conduta para substituição de sindicância ou processo disciplinar:

O controle da disciplina não é algo meramente burocrático, desvinculado de uma finalidade. O sentido de intervenção da autoridade é melhorar o funcionário e restabelecer a regularidade dos serviços. E isso não se consegue com as sindicâncias ou com processos; consegue-se com instrumentos jurídicos modernos, que levam o funcionário à reflexão, à compreensão e ao aperfeiçoamento como pessoa e como profissional.[1]

 

Tanto o Estatuto dos Servidores Públicos do Estado de Tocantins quanto o dos Servidores Públicos do Município de Belo Horizonte contemplam, cada um à sua maneira, a utilização dos institutos do ajustamento de conduta ou da suspensão do processo, no âmbito disciplinar.

 

No Estado de Tocantins, o ajustamento de conduta está previsto na Lei 1.818, de 23 de agosto de 2007, que dispõe sobre o Estatuto dos Servidores Públicos Civis.

Art. 147. Pode ser elaborado termo de compromisso de ajuste de conduta quando a infração administrativa disciplinar, no seu conjunto, apontar ausência de efetiva lesividade ao erário, ao serviço ou a princípios que regem a Administração Pública.

Parágrafo único. Para fins do que dispõe o caput deste artigo, considera-se como essencial:

I – inexistir dolo ou má-fé na conduta do servidor infrator;

II – que o histórico funcional do servidor e a manifestação da chefia imediata lhe abonem a conduta.

 

Art. 148. Como medida disciplinar, alternativa de procedimento disciplinar e de punição, o ajustamento de conduta visa a reeducação do servidor, e este, ao firmar o termo de compromisso de ajuste de conduta, espontaneamente, deve estar ciente dos deveres e das proibições, comprometendo-se, doravante, em observá-los no seu exercício funcional.

 

Art. 149. O ajustamento de conduta pode ser formalizado antes ou durante o procedimento disciplinar, quando presentes, objetivamente, os indicativos apontados no Art. 147 desta Lei , e pode ser recomendado, caso esteja concluída a fase instrutória.

 

Art. 150. O compromisso firmado pelo servidor perante a Comissão Permanente ou Especial deve ser acompanhado por advogado ou defensor 'ad hoc' e sua homologação cabe ao Corregedor Administrativo ou Geral ou à autoridade máxima da Unidade Administrativa ou Entidade Pública Estadual na qual se efetivou.

 

Art. 151. Ao ser publicado, o termo de compromisso de ajuste de conduta preserva a identidade do compromissário e deve ser arquivado no dossiê do servidor sem qualquer averbação que configure penalidade disciplinar.

 

Segundo Luciano Ferraz, que narra a experiência de Belo Horizonte, relacionada ao controle consensual e à suspensão do processo disciplinar[2], a efetividade do controle-sanção ainda insiste em se basear na cega submissão à estrita legalidade, herança positivista, em que a única baliza para a Administração Pública era o princípio da legalidade.

 

Nesta época, não havia meio-termo. Ou a conduta está de acordo com a regra ou não. Se não está, o autor deve ser penalizado pela sanção tal qual descrita na lei, independentemente de circunstâncias práticas e conseqüências futuras.

 

A virada conceitual está na maior perspectiva do direito por princípios, com reflexo na atividade da Administração Pública.

No aspecto disciplinar, pela Lei Municipal 9.310/06, Belo Horizonte, inspirada na Lei 9099/95, criou-se a figura da Suspensão do Processo Administrativo Disciplinar.

 

Objetivos:

a) Desburocratização;

b) Menor curso;

c) Celeridade:

d) Auto-recuperação.

 

Âmbito de aplicação: infrações de baixo potencial lesivo à disciplina interna da Administração.

 

De acordo com o Estatuto dos Servidores Públicos Municipais:

Art. 225-A. Nas infrações disciplinares, o Corregedor-Geral do Município, no momento da instauração do processo administrativo disciplinar ou da sindicância a que se refere o art. 221, V, desta Lei, poderá propor a suspensão do processo disciplinar- SUSPAD, pelo prazo de 1 a 5 anos, conforme a gravidade da falta, e desde que o servidor não tenha sido condenado por outra infração disciplinar nos últimos 5 anos.

§ 1º. Aceita a proposta, o Corregedor-Geral do Município especificará as condições a que fica subordinada a suspensão, desde que adequadas ao fato e à situação pessoal do servidor, incluída a reparação do dano, se houver.

§ 2º. A suspensão será revogada se, no curso de seu prazo, o beneficiário vier a ser processado por outra falta disciplinar ou se descumprir condições estabelecidas na forma do § 1º, prosseguindo-se, nestes casos, os procedimentos disciplinares cabíveis.

§ 3º. Expirado o prazo da suspensão e cumprindo o beneficiário as condições, o Corregedor-Geral do Município declarará extinta a punibilidade.

§ 4º. O beneficiário da SUSPED fica impedido de gozar o mesmo benefício durante o seu curso e durante o dobro do prazo da suspensão, contado a partir da declaração de extinção da punibilidade, na forma do parágrafo anterior.

§ 5º. Não ocorrerá a prescrição durante o prazo da SUSPAD.

§ 6º. Não se aplica o benefício previsto no “caput” deste artigo às infrações disciplinares que correspondam a crimes contra a Administração Pública, a crimes aos quais seja cominada pena mínima igual ou superiora a 1 ano, a atos de improbidade administrativa e nos caos de abandono de cargo ou emprego.

§ 7º. O Prefeito expedirá normas complementares necessárias à aplicação deste dispositivo, inclusive para aplicação da SUSPAD nos procedimentos disciplinares em curso.

 

Sobre a possibilidade de revogação previsto no art. 225-A, § 2º, do Estatuto, trata o Decreto 12.636/07:

Art. 2º. O prazo de duração da SUSPAD poderá ser de 1 a 5 anos, conforme a natureza e a gravidade da falta, obedecendo à seguinte gradação:

I-nas faltas puníveis com a pena de repreensão, conforme estipulado no art. 196, da Lei 7.169/96, será aplicada a SUSPAD pelo prazo de até 1 ano.

II-nas faltas puníeis com a pena de suspensão, conforme estipulado no art. 197, da Lei 7.169/06, será aplicada a SUSPAD pelo prazo de 1 até 4 anos.

III-nas faltas puníveis com a pena de demissão, será aplicada a SUSPAD, quando cabível, pelo prazo de 4 a 5 anos.

 

Art. 3º. A SUSPAD será automaticamente revogada se, no curso de seu prazo, o servidor vier a ser processado por outra falta disciplinar ou se descumprir as condições estabelecidas na forma do art. 1º deste Decreto, prosseguindo-se, nestes casos, os procedimentos disciplinares cabíveis.

 

As condições a serem cumpridas pelo servidor que adere à suspensão do processo – SUSPAD, estão no art. 5º, Decreto 12.636/07, com aplicação cumulativa ou alternativa, de acordo com a Portaria Conjunta CTGM/CGM 1/2007:

a) Prestação de serviços voluntários à comunidade em entidades designadas pela Corregedoria-geral do Município e em horários compatíveis com a jornada de trabalho, na forma da Lei Federal 9.608, de 18 de fevereiro de 1998, preferencialmente nos finais de semana;

b) comparecimento bimestral à Corregedoria-geral do Município, fora do horário de trabalho, para apresentar declaração da chefia imediata, referenciada pelo Secretário Municipal e pelo Secretário Municipal Adjunto a que se vincula o servidor, a qual certificará:

- cumprimento dos deveres previstos no art. 183, da Lei 7.196/96 e o não-cometimento de atos proibidos pelos artigos 184 e 199 do mesmo dispositivo legal;

- desempenho satisfatório das principais atribuições do cargo e das funções que lhe forem conferidas.

 

A Prefeitura de Contagem estaria utilizando mecanismo semelhante, com nomenclatura diferente: CAC – Compromisso de Ajuste de Conduta. Luciano Ferraz foi convidado a relatar a experiência do Município de Belo Horizonte no 1º Seminário Nacional de Direito Administrativo Disciplinar, promovido pela CGU, com o objetivo de acolher sugestões para ante-projeto que proporá alterações à Lei 8.112/90.

 

O narrador da experiência defende que a suspensão do processo administrativo disciplinar está de acordo com a Constituição. Não significa, por outro lado, que a Administração estaria abdicando de adotar procedimento punitivo, utilizando-se indevidamente do instituto da suspensão condicional do processo disciplinar, pois apresenta características tais como:

a)instrumento consensual que depende de adesão voluntária;

b)não representa abdicação da competência sancionatória porque é medida substitutiva do processo e não da penalidade que somente seria aplicada, se a infração, em tese, fosse confirmada;

c)o momento do oferecimento da oportunidade é anterior à possibilidade jurídica de sancionar o servidor, haja vista a necessidade do devido processo legal, e o princípio da presunção da inocência.

 

Ao mesmo tempo, são reconhecidas as fraquezas da pessoa, aposta-se na auto-recuperação e se prestigia o princípio da dignidade da pessoa, e os demais valores constitucionais fundamentais.

 

Eis aí, portanto, exemplos de novos caminhos, trilhados no sentido mais da correção e prevenção do que da penalização de servidor público, que se nos oferecem à reflexão.

 

 

 

 

[1] ALVES, Léo da Silva. Ajustamento de conduta substitui processo disciplinar. Disponível no sítio: <http://leodasilvaalves.com>. Acesso: 29 maio 2008.

[2] FERRAZ, Luciano. Controle consensual da Administração Pública e suspensão do processo administrativo disciplinar – a experiência de Belo Horizonte. Revista Interesse Público. n 44. Belo Horizonte: Fórum, jul./ago. 2007.

 

 


Voltar
Outros Artigos em Processo disciplinar & Sindicância

02/07/2013 - O equilíbrio necessário na Lei de Improbidade

13/10/2011 - Improbidade administrativa: desonestidade na gestão dos recursos públicos

23/09/2011 - Santa Catarina cria Estatuto Jurídico do Processo Administrativo Disciplinar

12/08/2011 - Instauração de processo disciplinar exige justo nexo causal: quem atira a primeira pedra?

03/08/2010 - Confusão no aeroporto: parecia repartição pública! (subtítulo: Penalidade de advertência pela entrevista)

25/06/2010 - Interrogatório no processo disciplinar depois das alterações do Código de Processo Penal

18/03/2010 - Assistência jurídica por Advogado escolhido pelo Agente da Administração Tributária e cujos honorários serão honrados pelo Estado

18/03/2009 - Processo Administrativo Disciplinar & Comissão Processante escolhida por encomenda

02/03/2009 - (in) Gerência da Administração sobre o correio eletrônico do servidor público

22/03/2008 - Gerência de empresa privada por servidor público

27/12/2007 - Comissão processante não acusa, nem demite. Comissão processante apura os fatos tendo em vista a responsabilização.